Análise de Risco
Análise de Riscos

Com o crescimento exponencial dos ataques realizados por cibercriminosos e a dependência cada vez maior das empresas pelos recursos tecnológicos, realizar uma análise de riscos em TIC é essencial, não só para se proteger, mas para seguir sobrevivendo no mercado atual.

Nas próximas linhas, nós vamos falar sobre o que é e como pôr em prática uma análise de riscos completa, com um passo a passo simples de implementar. Continue conosco e confira!

Análise de riscos em TIC

Os ataques citados acima só tendem a aumentar e, com isso, não basta mais as empresas se preocuparem apenas com firewalls e sistemas anti-vírus. É preciso criar uma cultura de proatividade em busca das melhores tecnologias e técnicas para manter os seus dados e os de seus clientes a salvo de pessoas mal-intencionadas.

A análise de riscos é uma técnica de levantamento de informações acerca de processos e sistemas utilizados na empresa de modo a melhorar a governança de ativos de TIC em relação às vulnerabilidades que podem ser encontradas, verificando a probabilidade de ocorrência de determinados eventos e as consequências que eles podem trazer para a empresa.

Cálculo dos riscos

Existem diversas formas de se por em prática uma análise de risco, mas o mais importante é entender a fórmula que determina o que é um risco. Ele pode ser calculado multiplicando a vulnerabilidade de um ativo e a importância para o todo.

Ou seja, quanto mais vulnerável for um item e quanto mais importante para a empresa ele for, maior é o risco que ele corre. Assim, o investimento para diminuir esse risco terá que ser maior.

Frequência de realização

A análise dos riscos é uma técnica que obedece a um ciclo e deve ser feita periodicamente. Ao chegar ao final do ciclo, pode-se recomeçar a fase de coleta de informações novamente.

A ideia é de atribuir uma melhoria contínua aos processos, pois assim como a tecnologia evolui todos os dias, as ações dos cibercriminosos também, e é preciso estar preparado a todo o momento.

Benefícios da análise de riscos

Entre as principais vantagens de implementar uma política de análise de riscos na empresa estão o encontro das vulnerabilidades que podem ser utilizadas por hackers para acessar os arquivos da empresa.

Como em muitos casos a empresa tem muitas vulnerabilidades para serem corrigidas, é necessário colocar a atenção nos ativos que tem mais importância para o negocio da empresa, isto faz como que os investimento sejam dirigidos para o lugar certo de forma equilibrada.

Assim como evitar que dados sejam perdidos ou corrompidos, interrompendo a disponibilidade dos serviços de tecnologia da informação na empresa e causando prejuízos que poderiam ter sido evitados, existe também a redução de custos com restaurações e manutenção de sistemas.

Como realizar uma análise de riscos em TIC

Como dito, existem diversas formas de realizar uma análise de risco dentro do ambiente de tecnologia da informação de uma empresa, mas todas elas seguem o mesmo padrão por definição. Vamos listar um passo a passo de como realizar uma análise de riscos:

Passo 1 – Faça um levantamento das ameaças

Colete informações acerca dos seus processos de tecnologia buscando pelas principais ameaças que possam ser claramente identificadas, como:

  • perda de dados;
  • incêndio em data center;
  • softwares desatualizados;
  • sistema fora do ar;
  • colaboradores sem treinamento.

Após a identificação de todas as ameaças, é necessário realizar uma lista que englobe todas elas para que sejam inseridas na matriz de riscos posteriormente. O que será realizado no próximo passo.

Passo 2 – Crie a matriz para cada item da lista

A matriz de riscos é formado por dois eixos: a probabilidade da ocorrência do risco e o impacto que ele trará caso ocorra. Cada um dos eixos é composto por 5 níveis.
Eixo da probabilidade:

  • quase certo;
  • alta;
  • média;
  • baixa;
  • rara.

Eixo do impacto:

  • gravíssimo;
  • grave;
  • médio;
  • leve;
  • sem impacto.

Para cada risco elencado na lista de ameaças, você deverá dar uma nota de um a cinco em probabilidade, e de um a cinco em impacto caso venha a se concretizar.

A nota de intersecção entre os dois pontos na matriz mostrará o potencial de risco daquela vulnerabilidade, e a maneira como ela deverá ser tratada posteriormente nos demais passos.

  • risco baixo;
  • risco moderado;
  • risco elevado;
  • risco extremo.

Como exemplo, poderíamos escolher um item de nossa lista, como a perda de informações. Se levarmos em consideração que a sua probabilidade é média, peso 3, e o seu impacto é grave, peso 4, teríamos um fator 12, e na matriz seria revelado com um risco extremo.

Passo 3 – Elenque um ranking de importância

Depois de colocar todos os itens elencados no levantamento de vulnerabilidade na matriz de risco, atribuindo as suas respectivas notas de risco, é preciso criar uma lista de grau de importância, por ordem de gravidade e urgência de resolução.

O importante nessa etapa é realizar uma separação entre o que é relevante para o negócio e o que não é. Se você não conta com uma equipe grande que possa dar conta de todos os riscos elencados, é melhor que os menos relevantes sejam retirados para não se mostrarem uma distração. Eles podem ser mantidos em separado para posterior análise após a resolução dos mais importantes.

Passo 4 – Trace medidas de correção

Este é o passo mais relevante de todo o processo, pois é onde são tomadas as medidas com expectativas para evitar e prevenir as ocorrências das vulnerabilidades encontradas na análise inicial.

Após identificar, atribuir relevância e organizar por importância, chegou o momento de buscar por soluções concretas para eliminar as vulnerabilidades encontradas. É nesse passo que pode ser importante contar com apoio de uma equipe externa especializada em segurança da informação, como uma consultoria, para auxiliar na busca pelas melhores alternativas.

Passo 5 – Continue a avaliação

Após a aplicação de todos os passos e a implementação das correções para as falhas e os pontos fracos encontrados, é necessário montar um sistema de monitoramento constante. O objetivo disso é avaliar os resultados das intervenções, verificar o surgimento de novas vulnerabilidades nos processos e sistemas da empresa.

A análise de riscos em TIC é uma técnica muito importante para manter uma empresa a salvo de invasões e da perda de dados que pode ocorrer por diversas variáveis, que podem ser identificadas pelo uso dessa tecnologia.