10 set
2019

YouTube é multado em US$ 170 milhões por coletar dados de crianças

Category:NoticiasTag: , :

Companhia concordou em pagar multa recorde e aceitou fazer alterações na plataforma para proteger privacidade de crianças

Nesta ultima semana, a Google concordou com o pagamento de uma multa recorde no valor de US$ 170 milhões. A companhia também aceitou fazer alterações no YouTube para proteger a privacidade de crianças. O acordo foi feito depois que órgãos reguladores afirmaram que a plataforma coletou informações pessoais de jovens de forma ilegal, direcionando os espectadores para anúncios para benefícios financeiros.

De acordo com informações do The New York Times, as medidas fazem parte de um acordo com a Federal Trade Commission e o procurador-geral de Nova York. Segundo as autoridades, o YouTube violou uma lei federal de privacidade infantil.

A plataforma, de propriedade da Google, teria coletado ilegalmente dados de crianças, incluindo códigos de identificação para rastreamento de navegação na web, sem o consentimento dos pais. Dessa forma, conseguiu arrecadar milhões de dólares utilizando as informações para segmentar os espectadores para os anunciantes.

Para encerrar o caso, o YouTube concordou em pagar US$ 170 milhões, dos quais US$ 136 milhões serão destinados à FTC e US$ 34 milhões a Nova York. Além disso, a empresa terá que criar um sistema que solicita aos donos de canais no YouTube que identifiquem conteúdos infantis para que os anúncios direcionados sejam adicionados a esses vídeos. A companhia também terá que obter o consentimento dos pais antes de coletar ou compartilhar informações pessoais.

Acordo é alvo de críticas

Apesar do acordo feito, críticos estão se posicionando contra a decisão. Para os advogados das crianças, a multa foi pequena e o Google apenas concordou em cumprir a lei de privacidade infantil que já era obrigada a obedecer. Afinal, a legislação atual proíbe serviços online de coletar dados pessoais de crianças menores de 13 anos sem a permissão dos responsáveis.

“Simplesmente exigir que a Google siga a lei é uma sanção sem sentido”, afirmou Jeffrey Chester, diretor executivo do Center for Digital Democracy. “É o equivalente a um policial avistar alguém acelerar a 160 quilômetros por hora e ele sair com uma notificação.”

Durante a discussão, a FTC acabou sendo dividida em linhas partidárias. Três membros republicanos votaram para a aprovação do acordo e dois democratas discordaram da decisão.

Em comunicado, Joseph J. Simons, presidente da agência, e Christine S. Wilson, ambos republicanos, afirmaram que o acordo “alcança uma vitória significativa para os milhões de pais cujos filhos assistem a conteúdo direcionado a crianças no YouTube”. Eles também disseram que essa será a primeira vez que uma plataforma terá que pedir aos produtores de conteúdo que se identifiquem como criadores de material infantil.

Susan Wojcicki, diretora executiva do YouTube, declarou que “nada é mais importante do que proteger as crianças e sua privacidade”. “Desde os primeiros dias, o YouTube é um site para pessoas com mais de 13 anos, mas com um boom no conteúdo de família e o aumento de dispositivos compartilhados, a probabilidade de crianças assistindo sem supervisão aumentou”, acrescentou a executiva.

Para solucionar o problema, Wojcicki disse que o YouTube planeja utilizar inteligência artificial para procurar conteúdos direcionados para crianças, como vídeos com brinquedos, jogos e personagens infantis, além de contar com os relatórios dos criadores. As alterações devem ser implementadas no início do ano que vem.

Fonte: Security Information News

1
Olá
Podemos te ajudar?
Powered by
%d blogueiros gostam disto: